Copper Alliance

Sistema de Gestão de Energia vai muito além da economia na conta de luz.

De acordo com o estabelecido na norma ISO 50001:2001, seu objetivo é permitir que as organizações estabeleçam os sistemas e processos necessários para melhorar o desempenho energético, incluindo a eficiência energética, uso e consumo. A implantação desta norma é destinada à redução nas emissões de gases de efeito estufa e outros impactos ambientais relacionados à energia e os custos/economia que o sistema de gestão de energia promoverá.

A norma ISO 50001 estabelece um sistema para a gestão energética que pode ser usado por empresas inteiras em qualquer segmento e estima-se que possa influenciar diretamente mais de 60% de toda a energia em uso do mundo.

O que contempla a Norma ISO 50001

A norma não se restringe somente à gestão de energia elétrica, mas também aos demais tipos de energias utilizadas sejam em processos produtivos, atividades de serviço, e outros.

Assim, a realização da gestão de energia é muito mais do que acompanhar a conta de energia elétrica e verificar as reduções de consumo. É sim entender se houve uso de outras formas de energia e como essas contribuíram para os resultados gerais da organização.

A importância do sistema de gestão de energia

A finalidade do sistema de gestão de energia é auxiliar a organização a estabelecer os sistemas e os processos necessários para melhorar sua eficiência energética, através das reduções tanto nos custos quanto nas emissões de gases de efeito estufa.

Concluímos então que o Sistema de gestão de energia (SGE) é capaz de proporcionar às empresas a otimização da utilização de energia, auxiliando na eficiência energética de processos, equipamentos e dispositivos, além de reduzir os custos, o consumo de energia, as emissões de CO2 entre outras.

Um sistema de gestão de energia bem implantado, traz inúmeros benefícios, como:

  • Redução de custos com energia e vida útil de equipamentos;
  • Melhoria da eficiência operacional;
  • Redução da emissão de gases de efeito estufa;
  • Existência de dados relativos à energia para auxílio na tomada de decisão;
  • Política para o uso mais eficiente de energia (envolvendo até a alta administração);
  • Integração com sistemas de gestão existentes;
  • Redução de impactos ambientais;
  • Metas para redução;
  • Rateio de custos setorizados e transparência dos consumos de energia por departamentos;
  • Demonstração clara de responsabilidade social corporativa;
  • Vantagens competitivas sobre as empresas que negligenciam a gestão de recursos;
  • Melhoria contínua do perfil de uso da energia e muito mais.

 

Fontes utilizadas:

www.verdeghaia.com.br